Ídolos

Seguir outro humano como se fosse um semi-deus nos leva a um estado em que jogamos em outra pessoa as expectativas que temos sobre nós mesmos.

Criamos anseios, desejamos ser diferentes, e entendemos que a jornada do outro pode abreviar a nossa, pois vemos muita luz e somos atraídos como moscas numa carona perigosa.

A proporção de luz é a mesma de sombra. Se vemos a luz projetada à frente, é preciso compreender as sombras que não são percebidas atrás. Muita luz começa, inclusive, a derreter a máscara de cera, revelando a frágil humanidade por detrás da figura angélica ou demiúrgica que projetamos no outro.

Nessa imagem acima vemos na obra de Tatiana Blass, um homem de cera exposto à luz intensa e que vai se derretendo aos poucos até o fim de sua instalação artística. Esta obra ilustra bem o quanto a imagem de gurus, sacerdotes, coach’s, artistas, amores, pais, e demais ídolos em que projetamos um ser divino e alado, podem ser apenas asas de Ícaro, de cera, que não suportam um pouco mais de luz tiférica, solar e nos derrubam de alturas estratosféricas.

O quanto estamos aptos a suportar nossa própria humanidade a ponto de não precisarmos encontrar no outro, o Deus que gostaríamos de despertar em nós?

Malone

Reflexão feita a partir da publicação nesse site, sobre a desilusão de David Bohm com Krishnamurti, quando viveram no Brasil, por Carlos Cardoso Aveline.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s