MATER TERRA

A árvore brota do teu ventre
assim como toda a criatura,
as que rastejam, as que nadam

                          e as que flutuam.

Eu me levantei do limo,
fiz a jornada.

E enquanto meus cabelos prateavam
entre as folhas secas do outono,
também me desmanchava

em tua relva escura.

Como cada cobra 
que engole a cauda
                  e cada ave

que se desprende
                    do poente.

Fui voltando a ser semente
         em minha própria sepultura.

Pra dormir serenamente
                             todo o inverno

e acordar com o seu chamado
para uma nova aventura.

C.S.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s