Ponto

Um ponto de vista
A vista de um ponto
O café do barista
Um bêbado tonto

Um médico sutura
O enfermeiro auxilia
O paciente atura
O ponto que fia

No mapa o local
Marcado com o pino
Na flauta o bocal
O ponto que afino

A fala, um sinal
Ninguém se entende
Um ponto final
De quem não se arrepende

Pra quem não tem limite
É bom pontuar
A clareza transmite
Até onde chegar

A viagem que espera
Quem ainda não veio
No ponto prospera
Entra e senta no meio

O exame que testa
E não mede direito
Por pontos atesta
Quem só deu seu jeito

No horário está pronto
Quem chegou primeiro
Bateu o seu ponto
E ficou sem dinheiro

A comida assando
Que mexe e vira
É crua, passando
No ponto, é mentira.

A que ponto se chega
Quando se quer chegar
Quem gosta aconchega
Se ajeita, é seu lar

Uma loja antiga
Que passa o ponto
A nova cantiga
De venda e desconto

Quando é que se acaba
Essa história, esse conto?
Fechando essa aba
Paro, esse é meu ponto.

Malone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s