Quo ibimus?

“De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma.” Mc 8, 36

Na jornada evolutiva, a ordinariedade dos dias nos prende na percepção de que não há movimento, e então passamos a viver no modo automático, sem perceber o verdadeiro propósito de ir desvelando as camadas do que não somos para encontrar nossa verdadeira essência.

Prolongar a vida e prorrogar a jornada sem ter em vista a real motivação inicial é como preferir o engarrafamento do trajeto ao destino. Criar subterfúgios para se viver mais sem ter na essência o vigor do buscador, do que se lapida para ser quem de fato é, para encontrar seu verdadeiro eu, faz parder o sentido da busca inicial.

Sempre é tempo de revisar a jornada, acertar o prumo, recalcular a rota. Essa é a essência da viagem. Não ficar preso no desejo do destino sem valorar o trajeto, nem ficar preso no trajeto e se perder do destino.

A viagem é a partida, o trajeto e o destino.

Malone

Música: Journey, Jimmy Cliff

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s