ALENTO

Eu me engulo 
no fruto maduro
            dos dias.

E me desengulo, 
borboleta incendiada.

Às quatro luas da jornada,
minguo e resplandeço:

Morro semente,
             renasço árvore.

Eu me trituro,
eu me amasso.
Ardo ao fogo,
eu me descasco.

Na mesa,
          pão sagrado.

No espaço,
          pó dos astros.

Ontem animal despedaçado,
hoje o antes, 
                   o todo.

Um deus.

(ou só o rastro)

C.S.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s