Reconciliar

Afrodite não suporta a beleza de Psique

E pede que seu filho Eros ajeite a coisa

Uma seta, e ela se apaixonará por um vil “nem sei o quê”

E a seta acaba pegando Eros, numa mudança de planos auspiciosa.

O pai da moça consulta Apolo e percebe que algo não será bom

Leva então a moça para a beira do precipício

Um vento a encontra e a leva a um Palácio de bom tom.

Com Eros ela se encontrou e se uniu em prazeres propícios.

Desconfiada pela ideia da inveja alheia, ela tenta iluminar o obscuro

Quando percebe que o marido não era monstro mas um anjo

Ela o fere com o óleo da desconfiança e cria o muro

Eros foge pois amor não vive sem confiança, que desarranjo!

Psique vaga pelo mundo para se redimir, lã, água, grãos, de Persefone a caixa

Tudo foi feito, com ajuda, conforme pedido

Eros se cura e a desperta, e se resolve com a mãe, sem nenhuma baixa

Psique é imortalizada, se une a Eros e têm ambos uma filha, o prazer, tudo concedido.

E assim nossa mente que desconfia do amor, sempre busca prova

Se divorcia dele, e busca fazer o que é preciso

E aqui deixo o pensamento nessa trova

Em que partes do seu amor busca força pra não ser tão indeciso?

Malone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s