Cometa

Veja, há uma chuva de meteoros, disse o menino sonhando com o que iria contar na escola;

São só pedras que avoam, disse o matuto mal humorado;

Asteróides cuja camada gasosa deixa o rastro luminoso pelo atrito, disse o professor tentando se gabar;

O brilho dos seus olhos escapou pelo céu, disse o apaixonado tentando ganhar um beijo;

Quero fazer um pedido! Responde a moça pensando em ser alguém, em se encontrar;

Quantos rasgos no pano, do véu do céu! Exclama espantada a idosa simplória pensando em suas agulhas;

Vejo um bom presságio! Disse o benzedor lembrando do que ouviu quando criança;

É o fim de todos nós! Apavorado, o dinossauro gritou antes do extermínio;

O Grande Deus do fogo vem nos visitar! Disse alegre o australopitecus;

Poderemos encontrar terra e água pura! Ao mirar na penumbra, alerta o marinheiro, da gávea;

Migram perto de vênus em áries, comenta a astróloga;

E assim cada um a seu modo, em seu mundo, observa e contempla a si mesmo olhando o cometa que se derrete na camada terrestre, vendo suas soluções, medos, sombras e lampejos.

O meditante absorto nada diz nem pensa, só olha, se vê calado ali, no movimento dos astros, o movimento dos seus pensamentos, vindo e indo, e ele fica, aqui, agora, só com o brilho dos cometas, sem se perder, se encontra em seu vazio, pleno.

🌌 Malone

Imagem: Reprodução/fillthewell

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s