Casa

Casa cheia

Casa vazia

Casa plena de alegria

Casa esvazia de fantasia


Casa de quem se casou

Casa de solteiro

Casa de quem descasou

Casa de mosteiro


Casa que estava limpa

Casa que sujou

Casa de quem garimpa

Casa de quem se achou


Casa consigo mesmo

Casa com quem faz caso

Casa farofa e torresmo

Casa goiabada, queijo, ao acaso


Caso que faço de amigos

Faço caso de amor

Caso faço de filhos, abrigo

Faço caso de mim sem dor


A casa que moro sou eu

Acaso seria outro alguém?

Moro no amor de quem deu

Abrigo, abraço, ouvido também


Que caso tenho com a casa,

Se a casa não me tem?

Meu caso com ela defasa

Pois nada tenho, só o bem!


Sou eu a morada de mim

Sou todos os casos de amor

Amor de cuidar, meu jardim

Me derramo ao próprio sabor


Agradeço por estar em casa

Feliz de me ter como amigo

Aqui sou fumaça, sou brasa

Sou afago, sou meu abrigo.


Se sinta a vontade pra vir

Visitar-me quando quiser

Mas não saia de si ao sair

Seja quem for, o que vier.


Casa é vaso do acaso

Não faço caso, se precisar

Em mim mesmo me comprazo

Caso a casa não seja um lar.


🏡 Malone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s