Há Braço

Há braço na poltrona
De quem senta pra ouvir
Estórias e cantigas
Perder-se no devir

Há braço de violão
Músicas que levam longe
Sem sair do mosteiro
Viajam o profano e o monge

Há braço de ferro
Disputa de força pura
Nem sempre ganha o mais forte
Nem o de cabeça dura

Há braço de rio e mar
Que serpenteiam ilhas
Trazem vigor e beleza
Às mães e suas filhas

Há braços dentro do abraço
Encontro de dois amores
São filhos e pais, netos
Dissipam assim as dores

Há braços cruzados
De quem resolveu parar
Até que dê o braço a torcer
A luta irá evitar

Há braços de verga e âncora
Marinheiros que o digam
No mastro fazem girar
Com força se fadigam

Há braço direito, comando
Puxam sacos, mequetrefes
São cordiais num dia
Quando podem se tornam chefes

Há braços de todo jeito
Amigos, amores, amantes
Traíras, violentos, de urso
Abrace sempre que puder, antes.

Há braço do tempo agora
Não perde tempo que tem
Abraço pra toda hora
Abraço que quero bem.

Malone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s